Resenha: Entrevista com o Vampiro de Anne Rice

17 abril 2013


Olá !

Eis que chego com mais uma resenha!


Entrevista com o Vampiro
Anne Rice
Editora Rocco
334 páginas
1992
Tradução de Clarice Lispector

Bom, este é um livro que há muitos anos tinha a vontade de ler, mas que ele parecia sempre fugir das minhas mãos. Entretanto, no começo desse ano, um amigo me ofereceu (por um preço muito razoável) toda a coleção dele da escritora Anne Rice.

Para quem lembra há uns anos atrás uma loja virtual vendeu a coleção de Anne Rice da editora Rocco. As Crônicas Vampirescas + os 2 volumes das Bruxas de Mayfair e outros dois livros de vampiro, por um ótimo valor, enfim eu não comprei na época mas, ele sim, e foi essa coleção que comprei dele (ainda no plástico!!!!). No final das contas, tinha chegado nas minhas mãos um dos livros que mais tinha curiosidade de ler na vida: Entrevista com o Vampiro.

Eu tenho uma verdadeira paixão platônica por histórias de vampiros como já disse em alguns posts aqui no blog. Vejo todos os filmes e leio todos os livros. Bom, nesse quesito há uma exceção aí, os livros da Stephenie Meyer, sim não li a série Crepúsculo, porque eles não se assemelham em nada aos vampiros que gosto, na verdade ao estilo de vampiro que aprecio. Nesse quesito, sou meio radical, não que eu não ache que você não deva ler os livros do Crepúsculo, não é isso, acho que você deve ler se quiser, a questão aqui sou eu mesma que sei que esse tipo de história não irá me agradar pelo tipo de enredo que a autora escolheu para exemplificar seus vampiros. Enfim, isso é uma escolha pessoal e só isso, nada mais.

Bom, pensando nos vampiros, um dos primeiros filmes que me apaixonei foi justamente o filme homônimo do livro de Anne Rice. Quando foi lançado eu era ainda pequena e me lembro de ter assistido e ficado completamente encantada por esse mundo vampiresco (e pelo Brad Pitt e seu Louis, claro!). Não sei ao certo, se foi o primeiro que vi, provavelmente não, porque minha infância foi banhada por filmes de terror e suspense, que eram minha paixão. Mas óbvio, depois passava 3 noites dormindo com a minha mãe por causa do medo, mas eram o meu vício. Não conseguia evitar um filme de terror, e principalmente de vampiros e não consigo até hoje.

E aí, depois de anos e mais anos querendo ler esse livro, finalmente li. Quando iniciei a leitura, confesso que fiquei um tanto quanto entediada com a história, mas acredito que isso era mais um problema meu do que do livro, porque depois da página 150, (ou depois que passou minha ressaca literária) o livro deslanchou, foi uma leitura frenética e ansiosa pelos próximos acontecimentos.


— Quer dizer que ele sugou o seu sangue? – perguntou o rapaz.
— Sim — o vampiro sorriu. — É assim que se faz.

O livro começa com Louis contando a história de sua longa vida imortal para um jovem repórter que ele estava espreitando, mas resolve “aproveitá-lo” para contar a sua história, daí o título Entrevista com o Vampiro. A história é narrada por Louis, ao contar os acontecimentos de sua vida ao repórter, alternando momentos de diálogo com o mesmo. Esse foi para mim um dos únicos pontos negativos da história, como o livro é uma longa e gigante conversa, às vezes não ficava muito claro quem falava, se Louis ou o repórter, ou mesmo se era alguma fala da história de Louis, eu pelo menos me confundia em algumas partes e tinha de retornar ao diálogo.

“Você reflete o seu coração partido. Um vampiro com uma alma humana. Um imortal com paixões mortais. Lestat deve lamentar quando ele o fez.”

A tradução do livro foi feita por Clarice Lispector, o que é incrível, ler uma obra na qual ela desenvolveu a tradução. A edição que tenho da Rocco é econômica, sem orelhas e com folhas brancas. Bom, isso não é novidade nas edições da Rocco, já que quase todos os seus livros têm folhas brancas.

O livro conta a história de Louis de Pointe du Lac, um fazendeiro do sul do estado da Louisiana, de origem francesa, mas que morava próximo a cidade (também de origem francesa) de New Orleans.

Louis era o filho mais velho de uma família que havia perdido o patriarca e por isso, ele assumiu os negócios da família. Seu irmão mais novo, extremamente religioso acaba falecendo e isso causa um grande impacto na vida de Louis que, se sente culpado pela morte do irmão.

Assim, Louis caí em uma vida de autocomiseração e passa a “procurar a morte”, achando que só ela pode aplacar a dor e a culpa que sente pelo ocorrido. E é assim que a “morte” o encontra, na face de um vampiro sádico e cruel, o fantástico Lestat.

Como todos sabem, Louis acaba se entregando a Lestat, como que enfeitiçado pelo seu poder e beleza e cedendo à sua vontade. Passado os momentos de paixão, Louis começa a descobrir a verdadeira face de Lestat, ao mesmo tempo em que se desencanta progressivamente com sua vida vampiresca.

Talvez desencantar no caso de Louis não seja a palavra mais correta, talvez seja culpa. A paixão e a intensidade de Louis é uma de suas marcas, paixão e intensidade pela dor da perda de seu irmão, por Lestat e pela culpa e as dúvidas que começa a alimentar depois que se torna um vampiro.

Louis é uma personagem intensa, cheia de buscas e principalmente buscas pelas respostas, respostas que o atormentam todos os dias. Seriam os vampiros obra do demônio ou de Deus? Deus e o diabo existem? As mortes que causa, são verdadeiros tormentos para sua mente incansavelmente questionadora e inquieta.

A muita culpa pela ambigüidade de suas ações, ao mesmo tempo em que se odeia por ter de matar, isso lhe causa um êxtase incomparável. Louis, Louis e seus tormentos pessoais.

A verdade é que Louis se recusa a perder a sua humanidade, ou pelo menos a humanidade que ainda lhe resta, seja porque permaneceu nele ou porque ele deseja mantê-la intacta dentro de si.  É isso que atrai a todos que o cercam, sua alma humana num corpo de vampiro. O seu amor pelos humanos ao mesmo tempo que tem de matá-los para sobreviver.

"(...) Como já disse, havia muitas coisas das quais Lestat devia ter me avisado. Poderia ter transformado aquela experiência em algo enriquecedor, sob vários aspectos. Mas não o fez.
-O que poderia ter feito? - Perguntou o rapaz . - A que se refere?
- O ato de matar não é um ato comum - disse o vampiro. - A gente não se satisfaz simplesmente com o sangue do outro.
Sacudiu a cabeça.
- Certamente, trata-se do fato de experimentar uma outra vida, às vezes, de experimentar a perda desta vida através do sangue, lentamente. É a contínua repetição das sensações que tive ao perder minha própria vida, ao sugar o sangue do pulso de Lestat e ao ouvir seu coração rufando junto ao meu.
É a contínua celebração desta experiência pois para os vampiros, esta é a suprema experiência!"

Nesse quesito todas as séries mais recentes são inspiradas (eu acho) neste livro de Anne Rice, seja Angel ou Vampire Diaries, todos beberam nos textos complexos e densos de Anne Rice. Sim porque o texto desta autora é muito bom, sua escrita é magnífica na forma como detalha e mostra os sentimentos de cada uma de suas personagens ou como constrói personagens complexas e tão diferentes entre si.

Fato é que a história te amarra, te enreda de uma forma que você fica tensa e apreensiva por tudo que acontece.

Mas ainda não falei sobre a criança que não pode morrer, Claudia. Pelo que se sabe, Claudia foi inspirada na filha de Anne Rice que havia morrido há pouco tempo na época em que escreveu o livro em 1976. Anne imortalizou sua filha na personagem de Claudia, a menina vampira. Claudia completa o trio vampiresco, junto com Louis e Lestat, este último responsável pela sua transformação e Louis pela sua morte humana.


Claudia chega a eles como uma forma de manter Louis junto a Lestat, criando um ambiente “familiar” ou uma responsabilidade quase humana para Louis, por ter de cuidar e acompanhar a criança imortal. Fato é que, ela começa a história com 5 anos, mas sua mente se desenvolve enquanto seu corpo não, permanecendo eternamente com a aparência de uma criança de 5 anos. E como sua mente se desenvolve, se torna uma adulta manipuladora e fria.

Louis obviamente se liga a Claudia como não havia se ligado a quase nada depois de sua transformação em vampiro, mas Claudia se torna uma adulta num corpo de criança, capaz de manipular todos ao seu redor, principalmente Louis que claro se sente culpado pela transformação de Claudia.

A história se desenvolve por aí, na relação dos três, lidando com seus demônios pessoais. Mais tarde surge outro vampiro importante na história e nos livros posteriores das Crônicas Vampirescas, o vampiro Armand, mas não falarei muito nele, porque acredito que falar nele, será como lançar pequenos spoilers neste texto, já que ele surge do meio para o final num contexto já bastante avançado da história, mas ele se torna uma personagem importante no contexto geral do livro.

Para quem gosta como eu, de uma história de vampiros este livro é indispensável e magnífico. Se você gosta de vampiros sexys e que vivem na dualidade do bem e do mal, tenho certeza que irá gostar desse livro. Mais que recomendo.



Até mais!

11 comentários:

  1. Nunca li nem vi o filme!
    Nas morro de vontade!
    Adorei a dica
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias
    Livroterapias

    ResponderExcluir
  2. Acredita que eu vi o filme e adorei, comprei o livro, mas até agora eu não li? O que é uma pena, levando em consideração que a Anne Rice é uma das autoras de mais prestígio na temática vampiresca, não é?
    Vamos ver se leio ainda esse ano. :)

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
  3. Quando eu vejo que tem Anne Rice na parada já fico toda feliz...

    Entevista com o Vampiro também é o primeiro filme de vampiros sério que eu vi e que prestei atenção, porque o filme me prendeu, eu sou fã dela e acho que comprei minha coleção nessa vez ai que você mencionou, não sei...

    A maioria dos livros da Anne tem isso de serem um pouco dificeis no começo, mas depois vira algo viciante...

    No filme eu me apaixonei logo de cara pelo Lestat e não pelo Louis porque sempre gostei de caras malvados, mas quando entrou em cena o Armand com todo aquele Antonio Bandeiras gente apaixonei, claro que quando li o livro vi que ela não tinha muito a ver, mas perdoei...


    Anne Rice é tudo de melhor que eu já li na vida, fico tão feliz quando encontro pessoas que compartilham desse gosto comigo...

    Adorei sua resenha!


    Estandy Books - A Estante da Andy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah tb percebi isso o Armand do livro não tem nada a ver com Antonio Banderas! Acho que essa é a maior discordância do livro em relação ao filme, penso eu. abraços

      Excluir
  4. Oie Melissa =)

    Eu gosto bastante dos livros da Tia Anne Rice, mas eu tenho uma enorme implicancia com o Lestat rs... tanto que os livros que mais gosto dessa série são os que ele não aparece muito XD

    O meu favorito é Sangue e Ouro que conta a história do Marius (suspiros), só não comprei ele ainda por que ele está muito caro rs...

    Ótima resenhas

    Beijos e uma ótima semana ;***
    anereis.
    mydearlibrary | bookreviews • music • culture
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ane eu ainda estou no começo da série, mas confesso que Lestat me irrita bastante tb! bjos

      Excluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  7. Histórias de vampiros não são o meu favorito, mas eu gosto de vê-los, principalmente série de TV. Por exemplo, True Blood é uma excelente escolha que se destaca por sua história e personajes.Espero agora em sua septima temporada estréia continuar assim, eu recomendo.

    ResponderExcluir
  8. Oi, sou apaixonada pelo filme e desde então criei um fascínio por vampiros.
    Queria te dar uma dica ao escrever resenhas: costuma-se ter um teor mais crítico e aprofundado. E é possível falar de Armand sem dar spoiler, mas pode-se aprofundar mais. E teria sido mais interessante se tu tivesse feito um paralelo do filme e livro. Muito mais rico! Abs

    ResponderExcluir

Olá ! Obrigada pelo comentário, ele será respondido aqui mesmo, ok!?
Obrigada pela visita e até mais!

 
FREE BLOGGER TEMPLATE BY DESIGNER BLOGS